Uvas são deliciosas e muito nutritivas para nossa saúde. Previnem de câncer, contribuem para prevenção de doenças cardiovasculares e contribuem na redução da prisão de ventre, enfim, inúmeros benefícios os quais encontramos nesta fruta saborosa, seja rosada, verde, roxa ou até quando uva passa.
Para ser uva passa, serão necessárias grandes quantidades de uvas desidratadas, ou seja, para cada quilo de passas, serão utilizados três quilos e meio da comum. É um processo de exposição ao sol onde é removido água da mesma. Rica em vitamina do complexo B e sais minerais como ferro, potássio, cálcio e fósforo, ela nos é uma benéfica fruta seca.
Essa situação me faz lembrar num processo aos quais todos nós enfrentaremos por ocasião de estarmos vivos. Assim como as uvas são desidratadas e ficam secas, semelhantemente, envelheceremos.
Creio que iniciamos o processo do envelhecimento ao rompermos a parede placentária e gritarmos ao mundo através do choro estridente e impulsionado a ser bem mais alto com as tapinhas de alguém em nossa bundinha tão pequerrucha.
Sim, envelhecemos inicialmente ao nascermos e finalizamos ante o último suspiro do fôlego de vida dado por Deus.
Gosto de um escritor, um homem considerado mais sábio do mundo e que escreveu um capítulo fantástico dentro de seu livro intitulado Eclesiastes, na Bíblia Sagrada. Seu décimo segundo capítulo aborda maravilhosamente o envelhecimento. Inicialmente ele aconselha-nos para enquanto jovens, não nos esqueçamos dAquele que nos criou, uma vez que virão anos os quais perceberemos não termos mais prazer.
Nossas vistas escurecerão, não conseguindo visualizar bem a luz do Sol, a Lua e as estrelas como hoje temos esse privilégio. Nossos braços e pernas terão suas forças diminuídas e ante os mais fortes, incorreremos em perder a batalha da força física. O cansaço se apresentará e devido nossas perdas da visão, necessitaremos de outros a nos guiarem por alguns momentos, nos auxiliando a caminhar sem tropeços ou escorregões.
Nossos dentes não poderão estar de todos em nossa boca, ao contrário, talvez, tenhamos que usar um artifício chamado prótese ou comumente a dentadura ou “roth”.
De repente nossa voz já não será tão audível ao mundo, como as de nossos jovens a todos pulmões. Sim, muita das vezes teremos que ter aquele ao qual nos dirigirmos em palavras a nos ouvir rosto a rosto, face a face. Sim, necessitaremos de ser mais ouvidos e com paciência. Precisaremos de alguém com paciência ante nossos passos, nossas vozes e nossas mãos e pernas não tão fortes.
Teremos nossas cãs que surgirão ou de repente as perderemos e nos tornaremos calvos. E por certo a vaidade de escondê-los seja perda de tempo, pois a melanina estará reduzida e eles voltarão ao estado de seu processo natural, brancos como a neve.
Não teremos nossa virilidade de nossos anos atuais e para esta fase, dormir de conchinha será um privilégio prazeroso, bem como afagar os poucos cabelos e deslizar as mãos enrugadas sobre a cútis com um turgor tecidual reduzido de quem amamos.
Esqueceremos com mais facilidade as coisas e para alguns o Alzheimer alcançará. Nossa memória não será a mesma se não cuidarmos.
E o fim será o descanso desta vida, num jazigo solitário. Voltaremos ao pó sem memória depois disto, pois os mortos nada sabem, conforme Deus nos ensina em Sua palavra.
Enquanto ainda vivos não seremos tolerantemente aceitos nos transportes e rodas familiares ou de amigos, pois terão que ter mais paciência para nossas fases. Nossos controles esfincterianos talvez se comprometam e voltaremos às fraldas ainda que noturnamente.
Sim, como uva passas nos veremos secos, pois nosso fisiológico envelhecerá naturalmente.Porém, ainda como as mesmas, seremos frutos também.
Isto quer dizer que ainda poderemos produzir algo a nós mesmos e ao redor. Poderemos ser benéficos aos outros, poderemos ainda viver, com qualidade se nos propusermos a isso.
Na verdade, envelhecemos de fato quando deixamos de lutar. Quando passivamente deixamos o curso do rio da nossa vida e nos fazemos reféns da mesma, aceitando tudo que ocorre. Nunca conseguiremos resultados diferentes se fizermos as mesmas coisas sempre. É necessário aceitar que o envelhecimento ocorrerá, mas não se limitar ao mesmo. Ainda teremos vida, enquanto houver a latente esperança.
Aliás, a esperança deve tomar o lugar da vaidade por não aceitar-se envelhecendo. A esperança deve ser a mola propulsora que precisamos viver cada fase da vida e com sabedoria, conforme nos ensina o sábio Salomão em seus escritos.
Ela deve ser a última a morrer. E afinal poderemos responder o que se passa como a uma uva passa.
Creio que o que deve passar são as fases e não a vontade de vivê-las em toda a sua essência e plenitude que cada ser humano pode ter. Basta apenas querer viver intensamente.

Texto escrito por: Fabiana Colimoide

Comentários

Comentários